domingo, 16 de março de 2014

Lampião e Maria Bonita

Um casal que mexe com o imaginário brasileiro e especificamente o nordestino. Desde criança ouvia as histórias de Lampião e Maria Bonita - contadas por minha mãe, que viveu muito tempo no interior do Nordeste. Lampião e seu bando espalhava medo por onde andavam, saqueavam, matavam - enfim eram um grupo em que, a simples menção da proximidade das cidades e das fazendas, instaurava o terror.
 Mas viraram lenda, mito...
Um pouco da história de quem foi o verdadeiro Lampião (Fonte: www.eunapolis.ifba.edu.br )

A HISTÓRIA DE LAMPIÃO, O "REI DO CANGAÇO"

Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido como Lampião, nasceu em 7 de julho de 1897 na pequena fazenda dos seus pais em Vila Bela, atual município de Serra Talhada, no estado de Pernambuco. Era o terceiro filho de uma família de oito irmãos.

Lampião desde criança demonstrou-se excelente vaqueiro. Cuidava do gado bovino, trabalhava com artesanato de couro e conduzia tropas de burros para comercializar na região da caatinga, lugar muito quente, com poucas chuvas e vegetação rala e espinhosa, no alto sertão de Pernambuco (chama-se Sertão as regiões interiores e distantes do litoral, onde reinava a lei dos mais fortes, os ricos proprietários de terras, que detinham o poder econômico, político e policial). Em 1915, acusou um empregado do vizinho José Saturnino de roubar bodes de sua propriedade. Começou, então, uma rivalidade entre as duas famílias. Quatro anos depois, Virgulino e dois irmãos se tornaram bandidos. Matavam o gado do vizinho e assaltavam. Os irmãos Ferreira passaram a ser perseguidos pela polícia e fugiram da fazenda. A mãe de Virgulino morreu durante a fuga e, em seguida, num tiroteio, os policiais mataram seu pai. O jovem Virgulino jurou vingança.

Lampião formou o seu bando a princípio com dois irmãos, primos e amigos, cujos integrantes variavam entre 30 e 100 membros, e passou a atacar fazendas e pequenas cidades em cinco estados do Brasil, quase sempre a pé e às vezes montados a cavalo durante 20 anos, de 1918 a 1938.

Existem duas versões para o seu apelido. Dizem que, ao matar uma pessoa, o cano de seu rifle, em brasa, lembrava a luz de um lampião. Outros garantem que ele iluminou um ambiente com tiros para que um companheiro achasse um cigarro perdido no escuro. Seus atos de crueldade lhe valeram a alcunha de "Rei do Cangaço". Para matar os inimigos, enfiava longos punhais entre a clavícula e o pescoço. Seu bando seqüestrava crianças, botava fogo nas fazendas, exterminava rebanhos de gado, estuprava coletivamente, torturava, marcava o rosto de mulheres com ferro quente. Antes de fuzilar um de seus próprios homens, obrigou-o a comer um quilo de sal. Assassinou um prisioneiro na frente da mulher, que implorava perdão. Lampião arrancou olhos, cortou orelhas e línguas, sem a menor piedade. Perseguido, viu três de seus irmãos morrerem em combate e foi ferido seis vezes.Em 1929, conheceu Maria Déa, a Maria Bonita, a linda mulher de um sapateiro chamado José Neném. Ela tinha 19 anos e se disse apaixonada pelo cangaceiro há muito tempo. Pediu para acompanhá-lo. Lampião concordou. Ela enrolou seu colchão e acenou um adeus para o incrédulo marido. Levou sete tiros e perdeu o olho direito.

5 comentários:

Anônimo disse...

I used to be able to find good advice from your articles.



Here is my blog post :: tanki online test server

sisi sartor sisitricot disse...

Lindo trabalho, adorei tudo. Já estou seguindo. Bjs sisitricot.blogspot.com.br

Thelma Salles disse...

Olá, vim conhecer seu blog. Eu cheguei aqui através do Siga-me.
Gostei muito de tudo. Que capricho, parabéns!
Te convido a visitar e seguir o meu blog de artesanatos:
http://thelmasallesartesanatos.blogspot.com
Thelma Salles

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)

Leandro Becker disse...

Oi!
Adorei os trabalhos.
Quanto custa o casal Lampião e Maria Bonita?
Você faria com semelhança minha e de meu noivo?
Espero resposta.
Se te interessar, meu e-mail é:
alinebecker8@hotmail.com